TURISMO: Pool Villas, uma experiência para férias inesquecíveis na Bahia

Imagem
Tivoli Ecoresort Praia do Forte eleva o conceito de hospedagem com suas exclusivas Pool Villas em uma jornada única em meio à natureza e sofisticação  . Foto: Divulgação    Pool Villas Tivoli Ecoresort Praia do Forte O Tivoli Ecoresort Praia do Forte, eleito Melhor Resort de Praia da América do Sul pela World Travel Awards, oferece uma opção de hospedagem única e inesquecível: as Pool Villas. São casas de alto padrão, construídas com materiais sustentáveis, que combinam conforto, privacidade, serviços personalizados aos hóspedes e integração com a deslumbrante natureza da Bahia.   Com apenas 6 unidades, cada Pool Villa conta com três suítes no térreo, com banheiros projetados para proporcionar uma vista panorâmica do exuberante paisagismo exterior. A área social, localizada no piso superior, inclui uma espaçosa sala de estar com ventilação natural, cozinha e uma piscina privativa. Com 320m² de muito conforto, as Pool Villas são construídas com materiais que minimizam o impa

CULTURA: Artes visuais em destaque na programação do 12º Festival Artes Vertentes




Referência no país na promoção das artes de forma integrada, Festival Artes Vertentes promove programação gratuita dedicada às artes visuais em diálogo com outras manifestações artísticas. Evento será realizado entre os dias 16 e 26 de novembro em Tiradentes - MG.


Já tradicional no calendário cultural nacional, o Festival Artes Vertentes chega à sua 12ª edição, de 16 a 26 de novembro, na cidade histórica de Tiradentes – MG, reforçando o seu compromisso com a promoção das artes de forma integrada. Com intensa programação que inclui concertos, exposições, exibições, bate-papos, residências artísticas e oficinas, o evento recebe uma série de convidados nacionais e internacionais para dialogar sobre o fazer artístico e suas infinitas possibilidades. Toda a programação é oferecida de forma gratuita ou com ingressos a preços populares(R$20 e R$40).

No campo das Artes Visuais, o público terá acesso a uma programação cuidadosamente elaborada levando-se em consideração a temática desta edição "Paisagens Imaginárias". Seguindo a proposta do festival, a ideia é apresentar um cronograma de atividades que exploram e exemplificam a integração entre as mais diversas manifestações artísticas, possibilitando um roteiro diferenciado que destaca o diálogo entre as artes. Logo no primeiro dia de programação, serão abertas ao público 3 exposições, todas com visitação gratuita ao longo de todo o período do festival.

A partir dos olhares de Pierre Verger e Evandro Teixeira, a exposição "Canudos", que poderá ser conferida no Sobrado Aimorés, com curadoria de Luiz Gustavo Carvalho, trata de um território que tornou-se sinônimo de luta, de resistência, de mudança e de esperança. As paisagens que escondem debaixo da terra e sob as águas, retratam também a história de um país, vivida e contada por gente simples, cuja força parece vir da agrura da terra, da beleza rude do sertão. Dos vestígios da primeira Canudos, destruída pela guerra, até a segunda cidade, reconstruída pelos poucos conselheiristas que sobreviveram a um dos mais violentos massacres da história do Brasil e posteriormente submersa pelo Açude de Cocorobó, as fotografias realizadas pelo fotógrafo francês, em 1947, e pelo baiano, em 1997, falam também sobre a solidão e abandono de um país constantemente explorado e excluído, que precisa recorrer às paisagens imaginárias para sobreviver diante de tanta violência e injustiça.

O Beco do Zé Moura irá receber a partir do dia 16/11, a intervenção "Mergulho das Benedictas". Com curadoria de Natália Chagas, a mostra reunirá trabalhos inéditos assinados por sete mulheres que vivem em Tiradentes, e que participaram do curso de fotografia oferecido pela Ação Cultural Artes Vertentes durante o ano de 2023. São elas: Adriana Amorim, Antônia Rosa, Caroline Assis, Clarissa Arani, Maria Silvia, Regina Ferreira e Walquíria Assis. A proposta é apresentar uma ideia não linear de exposição, tampouco fechada. A ocupação se aproxima mais de fragmentos poéticos espalhados no desenrolar dos dias multifacetados, incitando-nos a inventar outras poesias a partir dos estímulos recebidos ao longo da travessia, agregando nossas percepções e assim, dando sentido as coisas que podem ser sem sentido, trazendo luz a espaços "invisíveis", e dando importância às coisas "desimportantes". São imagens ora se interceptam, ora se afastam. Apesar de atravessar temáticas diferentes, a linha que costura esses trabalhos é uma só: O que pode a fotografia? Quais mudanças elas reproduzem em nós?

Também no dia 16/11, às 18h, no Sobrado Quatro Cantos (R. Direita, 5), haverá a abertura da exposição "Da casa à paisagem", reunindo trabalhos assinados pelos artistas: Andrea Lanna, Daisy Turrer, Elisa Campos, Fernanda Goulart, Liliza Mendes, Roberto Bethônico e Rodrigo Borges. A mostra, realizada em parceria com o Campus Cultural UFMG Tiradentes, apresenta peças de caráter experimental, que questionam a espacialidade doméstica. A exposição constitui-se como ambiente de interações processuais, a partir de trabalhos que grassam entre si, mas também com a cidade, suas pessoas, arquiteturas, jardins, quintais, montanhas e as diversas subjetividades que os habitam.

Simultaneamente, também às 18h de quinta (16/11), no Centro Cultural Yves Alves (Rua Direita, 168), será inaugurada a exposição "Anjos Caídos", que reúne obras da premiada fotógrafa, jornalista e escritora francesa Emilienne Malfatto. A mostra reúne imagens e conteúdos que lançam um olhar poético, denunciativo e delicado para situações que envolvem a perda, o luto, o trauma, a ausência e a memória dos Yazidis, minoria religiosa curda, estabelecida numa região localizada na fronteira entre o Iraque e a Síria. Praticando um dos monoteísmos mais antigos do mundo, os Yazidis têm sido alvo de inúmeros genocídios ao longo da história. Através da superposição de fotografias e retratos antigos, acompanhados dos relatos das pessoas que regressaram ao território, Emilienne Malfatto retrata uma terra de fantasmas, onde as pessoas (sobre)vivem assombradas pelos ausentes.

Outra exposição que integra a programação do Festival Artes Vertentes é a série "Terreno Antropozoico", criada pelo fotógrafo mineiro Rodrigo Albert entre os anos de 2011 e 2017 no Golfo do México, um lugar constantemente afetado por tormentas e furacões, marcas das pegadas irreversíveis deixadas pelo homem no planeta. As intervenções feitas pelo artista com fogo, pneus, lixo, redes, canos e com o próprio ser-humano sugerem paisagens de uma nova era geológica chamada Antropoceno, que estabelece um vínculo intrínseco e indivisível entre o ser humano e a natureza, como sugere o cientista Paul J. Crutzen: "O Antropoceno representa um novo período na história do planeta, no qual o ser humano se tornou o motor da degradação ambiental e o vetor de ações catalisadoras de uma provável catástrofe ecológica." Quais paisagens vislumbrar a partir de um ponto em que a natureza foi a tal ponto alterada que já não mais existe no sentido antigo? A mostra poderá ser conferida ao longo de todo o fesrival no Chafariz de São José.

No dia 17/11, sexta, às 20h, no Museu Casa Padre Toledo (R. Padre Toledo, 190), as artes visuais serão colocadas em diálogo com a literatura, a partir da leitura performática que inclui a projeção de vídeo. A performance "A água é uma máquina do tempo", derivada do livro homônimo da artista e escritora Aline Motta(Niterói/RJ) reúne diversas linguagens artísticas e reconfigura memórias ao se valer de uma percepção não-linear do tempo, provocando reflexões acerca das influências dele em nossas vidas. Construindo um mosaico fluido de épocas a partir de documentos históricos, Aline Motta cruza diversos planos entre si, num percurso que passa pelo luto por sua mãe e revisita o Rio de Janeiro no final do século XIX, por meio de fragmentos que reconstroem a vida de antepassadas da autora.

A partir do dia 17, o público também poderá conferir a exposição "Walter Firmo conjugado", reunindo uma seleção de trabalhos assinados por um dos fotógrafos mais reconhecidos por seu olhar humanista. A obra reflete suas próprias origens, como parte de uma "confraria suburbana, operária, onde a negritude viceja." Para a mostra, o fotógrafo escolheu fotos em preto-e-branco, como forma de dialogar com seu próprio trabalho, sempre tão associado a cores vivas. As imagens escolhidas retratam uma paisagem humana ao mesmo tempo real e imaginária. Walter Firmo, nascido Guimarães Silva, demonstra nessa seleção a conjugação de seu sobrenome artístico. A exposição é realizada pelo Instituto Rouanet em parceria com o Festival Artes Vertentes.

Já no dia 23/11, quinta, às 19h, também no Museu Casa Padre Toledo, o público poderá conferir "Esse Isso Aqui", um projeto multidisciplinar e colaborativo criado em 2023 a partir do encontro do coletivo de arte-sonora O Grivo, a artista multimídia Niura Bellavinha, e o músico Francisco César. O trabalho consiste em uma série de improvisações que ocorrem na intersecção da música experimental e contemporânea, o free-jazz e as pinturas expandidas, realizadas ao vivo. Os quatro artistas instauram no espaço do concerto-performance um estado de presença, escuta e concentração ritualística, oferecendo ao público um diálogo que trafega entre música, espacialidade e uma visualidade radicalmente musical.

Criado em 2012 por Luiz Gustavo Carvalho e Maria Vragova, o Festival Artes Vertentes é um projeto realizado pela Ars et Vita e pela Associação dos Amigos do Festival Artes Vertentes. O evento vem apresentando, ininterruptamente, uma programação artística que estimula diálogos entre as mais diversas linguagens artísticas e propõe, por meio da arte, reflexões sobre temas de relevância para a sociedade contemporânea. Vencedor do prêmio CONCERTO 2021 e nomeado para o prêmio internacional Classic: NEXT Innovation Award 2022, durante as últimas edições, o Festival Artes Vertentes já recebeu mais de 420 artistas, originários de 40 países.

O 12º Festival Artes Vertentes é realizado com o patrocínio da Cemig, Itaú, Copasa e Minasmáquinas.

Mais informações no site www.artesvertentes.com.

 

Cemig: a energia da cultura


A Cemig é a maior incentivadora de cultura em Minas Gerais e uma das maiores do país. Ao longo dos seus 70 anos de fundação, a empresa investe e apoia as expressões artísticas existentes no estado, por meio das leis de dedução fiscal estadual e federal, de maneira a abraçar a cultura de Minas Gerais em toda a sua diversidade.  Além de fortalecer e potencializar as diferentes formas de produção artística e cultural no estado, a Cemig se apresenta, também, como uma das grandes responsáveis por atuar na preservação do patrimônio material e imaterial, da memória e da identidade do povo mineiro. Os projetos incentivados pela Cemig objetivam chegar nas diferentes regiões do estado, beneficiando um maior número de pessoas e promovendo a democratização do acesso às práticas culturais. Assim, incentivar e impulsionar o crescimento do setor cultural em Minas Gerais reflete e reforça o compromisso e o posicionamento da Cemig em transformar vidas com a nossa energia.     

 

Serviço

 

12º Festival Artes Vertentes

De 16 a 26 de novembro, em Tiradentes/MG

Programação completa: www.artesvertentes.com

Ingressos online para apresentações pagas: https://www.artesvertentes.com/ingressos

 

Exposições permanentes - 16 a 26/11

 

Exposição "Canudos"

Trabalhos de Pierre Verger e Evandro Teixeira

Visitação: 16 a 26 de novembro  

Horário de visitação: todos os dias, das 10h às 19h

Local: Sobrado Aimorés(Rua Direita, 159) - Tiradentes/MG

Gratuito

 

Exposição "Terreno Antropozoico"

Fotografias de Rodrigo Albert

Visitação: 16 a 26 de novembro  

Horário de visitação: ininterrupto

Local: Chafariz de São José - Rua Francisco Cândido Barbosa, sem número  - Tiradentes/MG

Gratuito

  

Exposição "Walter Firmo conjugado"

Fotografias de Walter Firmo

Visitação: 16 a 26 de novembro  

Horário de visitação: todos os dias, das 10h às 19h

Local: Instituto Rouanet - Rua Direita, 248- Tiradentes/MG

Gratuito

 

Exposição "Mergulho das Benedictas"

Trabalhos de Adriana Amorim, Antônia Rosa, Caroline Assis, Clarissa Arani, Maria Silvia, Regina Ferreira e Walquíria Assis

Visitação: 16 a 26 de novembro  

Horário de visitação: ininterrupto  

Local: Beco do Zé Moura(R. Direita, 201-77) - Tiradentes/MG

Gratuito

 

Exposição "Da casa à paisagem"

Trabalhos de Andrea Lanna, Daisy Turrer, Elisa Campos, Fernanda Goulart, Liliza Mendes, Roberto Bethônico e Rodrigo Borges

Visitação: 16 a 26 de novembro  

Horário de visitação: todos os dias, das 10h às 19h

Local: Sobrado Quatro Cantos (R. Direita, 5) - Tiradentes/MG

Gratuito

 

Exposição "Anjos Caídos"

Trabalhos da fotógrafa, jornalista e escritora francesa Emilienne Malfatto

Visitação: 16 a 26 de novembro  

Horário de visitação: todos os dias, das 10h às 19h

Local: Centro Cultural Yves Alves (Rua Direita, 168) -  Tiradentes/MG

Gratuito

 

17/11 - sexta-feira

 

Leitura Performática "A água é uma máquina do tempo", com Aline Motta

Horário:  20h

Local: Museu Casa Padre Toledo(R. Padre Toledo, 190) - Tiradentes/MG

Gratuito

 

23/11 - quinta-feira

Performance "Esse Isso Aqui", com O Grivo, Niura Bellavinha, e Francisco César

Horário:  19h

Local: Museu Casa Padre Toledo(R. Padre Toledo, 190) - Tiradentes/MG

Gratuito

 



  

CURTIU ?
COMPARTILHE O POST E ACOMPANHE NAS REDES SOCIAIS !
ANUNCIE AQUI PARA FAZER PARTE DA MAIOR REDE DE DIVULGAÇÃO NA INTERNET.



MAIS ACESSADAS:

Tecnologia excludente

TECNOLOGIA: Modernização tecnológica contribui para sustentabilidade e melhora imagem de empresa para clientes e investidores

LITERATURA: Existe relacionamento perfeito?

NEGÓCIOS: Agrishow 2023

BELEZA: Especialista analisa os procedimentos estéticos dos participantes do BBB 23 "Exagerou"

Literatura empodera mulheres

NEGÓCIOS: Concretizando internacionalização, Agrotools anuncia diretor de operações na América do Norte

DECORAÇÃO: Design Dopamina

ENTRETENIMENTO: NFT.Brasil