TÜV Rheinland é agora um Laboratório de Testes Autorizado da Wi-Fi Alliance(R)

Imagem
Certificação garante que produtos atendem a rigorosos requisitos de interoperabilidade com o protocolo Wi-Fi 7   A TÜV Rheinland, líder global em serviços de teste, inspeção e certificação, acaba de ser designada como Laboratório de Testes Autorizado (Authorized Test Laboratory - ATL) da Wi-Fi Alliance®, e passa a ter atuação global, com capacidade de apoiar clientes no mundo todo.   O programa Wi-Fi CERTIFIED™ garante interoperabilidade testada e comprovada entre dispositivos Wi-Fi®. Esta certificação dá aos usuários a confiança de que os produtos Wi-Fi com o logotipo Wi-Fi CERTIFIED atendem a rigorosos requisitos de interoperabilidade.   "Tornar-se um Laboratório de Testes Autorizado em nível global representa um passo importante no fortalecimento da nossa liderança, bem como na demonstração da nossa capacidade para prestação de serviços de teste de tecnologias sem fio, particularmente no contexto da Internet das Coisas. Sabemos que o setor de tecnologia é um dos

4 tendências de fraudes bancárias no Brasil

Uso indevido de IA e biometria facial estão entre as citadas por especialista. Para prevenção, sistemas de autenticação, análise comportamental e uso de ferramentas antifraude estão entre as possibilidades
 


Dados do Banco Central do sistema bancário e financeiro indicam aumento nos números registrados de fraudes no setor: em 2019, foram 1,2 milhão. Em 2020, 2,6 milhões e 4,1 em 2021. Os golpes relacionados a bancos são meios ilegais para obter dinheiro, ativos ou investimentos de vítimas. Dentre as modalidades do crime, estão vazamento de dados ou phishing, fraude na qual uma pessoa se passa por outra para roubar dados da vítima.
 

"Para que haja uma forma eficiente de combate aos sinistros bancários, é necessário que as instituições financeiras invistam mais em tecnologia por meio de ferramentas de prevenção antifraude", opina Thiago Bertachinni, Senior Business Development da Nethone, empresa de soluções de prevenção de fraudes digitais.

 

Por meio de inteligência artificial e tecnologia "Know Your User" (Conheça seu Usuário), a companhia entende as atitudes suspeitas de determinados usuários, bloqueando o uso e prevenindo crimes cibernéticos. Não apenas para a segurança do cliente final, mas também para os bancos, a prevenção de potenciais crimes no ambiente online se torna cada vez mais necessária.
 

Pensando em ajudar as empresas a se prevenir de possíveis problemas de fraude, o especialista cita tendências de fraudes no segmento para as organizações ficarem de olho:
 

Uso indevido de IA:

Com tecnologias emergentes de IA, criminosos costumam utilizar deep fakes para lesar as vítimas e conseguir dados pessoais para invasão de contas, além de aprimorarem outras técnicas criminosas.
 

Quanto à prevenção, modelos de Inteligência Artificial podem ser alimentados por dados para identificar padrões e comportamentos suspeitos em tempo real. No mercado, é possível encontrar soluções de detecção de fraudes que utilizam IA para analisar grandes volumes de dados e identificar atividades fraudulentas com precisão e rapidez.
 

Golpe do Pix:

Um levantamento recente feito pela ACI WorldWide, por exemplo, indicou que o Brasil é o 2º país com mais transações em tempo real do mundo. Tendência essa que se deve pela facilidade de transição que a operação dá aos usuários. Por essa razão, consumidores precisam de atenção redobrada e checagem de dados quando utilizarem essa forma de pagamento.
 

Fraudes de biometria facial

Com o desenvolvimento da tecnologia em verificações como biometria facial, os criminosos também aprimoram seus métodos de forma a encontrar fragilidade nos sistemas de segurança, desenvolvendo maneiras de utilizar a biometria facial de forma indevida.
 

Assim, um passo importante para a segurança é implementar sistemas de autenticação inovadores como a biometria comportamental, uma vez que essa tecnologia analisa o comportamento do usuário durante a interação com o dispositivo, como padrões de digitação, movimentos do mouse e até o estilo de navegação na internet, com o intuito de verificar a identidade de forma contínua e sem interferir na experiência do usuário.
 

Utilização de contas laranjas:

Por meio de contas laranjas, criminosos desviam fundos para contas falsas, assim, dificultando o trabalho de investigação dos órgãos reguladores. Com monitoramento contínuo e respostas proativas, é possível obter maior segurança nas transações da companhia e seus consumidores. Esse monitoramento pode incluir a implementação de alertas automatizados para atividades suspeitas e a capacidade de tomar medidas imediatas para interromper possíveis fraudes.

 

"Duas dicas finais são: a utilização de um sistema de análise de dispositivos e contexto que avalie não apenas o comportamento do usuário, mas também o contexto da transação, como localização, horário e histórico de atividades, para determinar o risco de uma transação ser fraudulenta. E, por fim, a contratação de empresas especializadas em segurança cibernética que oferecem soluções avançadas de prevenção de fraudes e monitoramento de ameaças. Essas parcerias fornecem acesso a expertise e tecnologias que fortalecem as defesas contra fraudes digitais", finaliza Bertacchini.

 



SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !





VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Novo Nordisk é a única farmacêutica presente no Web Summit 2024

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

Fairmont Rio de Janeiro Copacabana recebe recital exclusivo de Andrea Bocelli

Empreendedorismo Familiar e superação: Do garoto vendedor de cocada na Zona Leste à CEO de 3 empresas, e sócio do Káka Diniz e João Kepler