Pretah leva samba, MPB e sons regionais ao Palco Sesc

Imagem
Foto: Divulgação  Quarta-feira 17/04, é dia de Palco Sesc e quem se apresenta desta vez é a cantora  Pretah . A ação é parceria do  Sesc Cultura , integrante do Sistema Comércio e  Shopping Campo Grande  . A apresentação começa às 18h30, na praça de alimentação, aberta ao público. Pretah apresenta um repertório repleto de músicas brasileiras, como samba, incluindo também canções de compositores regionais. Serviço – Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417. Acompanhe as ações do Sesc Cultura @sescculturams e Facebook/sescculturams e no aplicativo "Encontre no Sesc". CLIQUE E FALE COMIGO: @OBLOGUEIROOFICIAL SIGA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM:   www.instagram.com/oblogueirooficial PINTEREST:   www.br.pinterest.com/oblogueirooficial TIKTOK:  www.tiktok.com/@oblogueirooficial FACEBOOK:  www.facebook.com/siteoblogueiro THREADS:   www.threads.net/@oblogueirooficial TWITTER:   www.twitter.com/siteoblogueiro CLIQUE  AQUI   E INSC

Mdou Moctar lança novo single e vídeo "Imouhar"

MDOU MOCTAR

LANÇA NOVO SINGLE E VÍDEO "IMOUHAR"

SEU NOVO ÁLBUM FUNERAL FOR JUSTICE

CHEGA EM 3 DE MAIO

 

Foto: Ebru Yildiz

 

Elogios para o primeiro single 'Funeral For Justice':

 

"A banda não poderia soar mais urgente" - New York Times

 

"O guitarrista do Níger emite um grito de guerra (...) que parece desmantelar o passado e criar um novo futuro" - The Guardian

 

"O quarteto no seu estado mais feroz e apaixonado" - Resident Advisor

 

'Um caleidoscópio hipnótico de blues pesado e psicodelia mundana" - Loudersound

Matador. Uma canção de rock hipnótica em um crescendo febril, 'Imouhar' apela ao povo Tuaregue ao qual a banda pertence para preservar sua língua Tamasheq - ela corre o risco de morrer, e Moctar é um dos poucos em sua comunidade que sabe como escreva. "As pessoas aqui usam apenas o francês", diz Mdou. "Eles estão começando a esquecer sua própria língua. Sentimos que daqui a cem anos ninguém falará bem Tamasheq, e isso é muito assustador para nós."

 

"Imouhar" segue o primeiro single e faixa-título 'Funeral For Justice', lançado em fevereiro. Assista ao vídeo AQUI.

 

O quarteto embarca em turnês pela Europa e pelos EUA neste verão. As datas no Reino Unido incluem Glastonbury, End Of The Road, Manchester Psych Fest, Moseley Folk Festival, bem como shows em Londres, Glasgow, Newcastle e Leeds.

 

Gravado no final de dois anos em turnê pelo mundo após o lançamento do álbum Afrique Victime de 2019, Funeral For Justice captura o quarteto nigeriano em forma feroz. A música é mais alta, mais rápida e mais selvagem. Os solos de guitarra são intensos e as letras são apaixonadamente políticas. Nada é contido ou atenuado.

 

Damon Locks (Black Monument Ensemble) sobre Funeral For Justice:

Há uma beleza em ouvir música feita sob o espírito da transformação. Quando os sons transformam o ar e o ouvinte. Este disco transporta o ouvinte para o coração da música de Mdou Moctar. A mistura de intenção e motivação cria uma explosão de som que abraça, sacode e convida a dançar! Convida a respirar. Convida a ser solidário com a música. Convida a entrar em contato com a condição humana. O que significa ser livre nestes tempos? Poderá o mundo ser libertado do estado de espírito colonial que causou tantos danos e desconfiança? Podemos lamentar as nossas perdas e ao mesmo tempo construir de novo para formar algo mais surpreendente, mais fantástico? 'Funeral For Justice' diz que podemos.

Um som que carrega peso causa impacto. Um som que transporta o tempo transcende o tempo. Não estamos apenas ouvindo música, mas vivendo isso. Estamos vivendo com isso. Estamos vivendo nisso. O artista vê a história e dela faz poesia para o presente. O 'Funeral For Justice' de Mdou Moctar solicita a sua presença. Mostre-se aberto à celebração da vida, amado como deve ser amado. Experimente a exaltação e a exuberância. As palavras falam de ascensão, consciência, tristeza, apatia, conhecimento e crescimento. As guitarras falam de poder, energia, júbilo, transcendência, imediatismo e tradição. A bateria e a percussão marcam o pulsar do agora e também uma dança intemporal que envolve a todos nós, como aconteceu com aqueles que vieram antes de nós. Os fios que transmitem a mensagem parecem vivos com fogo e propósito, explosivos com possibilidades. Este "funeral" é um reconhecimento. Este "funeral" é abundante. Este "funeral" transborda para a rua repleta de dança. Este "funeral" prolonga-se até altas horas da noite, levantando a terra, com o zumbido de um gerador, membro sempre presente da secção rítmica. Este "funeral" é um apelo à razão e à crença de que a mudança é possível.

 

Então junte-se a Mdou Moctar neste funeral pela justiça, sabendo que o renascimento é possível. Uma nova justiça é possível. Com a sua voz, o seu coração, a sua dança, a sua pisada, nasce uma nova justiça. Mdou Moctar recebe você com alegria e braços abertos. Esteja aqui. Sinta aqui e faça, ao lado dessa música. Não fique sozinho, junte-se a outros e faça. Lute pela libertação. Fique contra a opressão, ao lado dessa música e faça!

 

As músicas de Funeral For Justice falam inabalavelmente sobre a situação do Níger e do povo tuaregue. "Este álbum é diferente para mim", explica Moctar, vocalista e guitarrisa da banda. "Agora os problemas da violência terrorista são mais graves em África. Quando os EUA e a Europa chegaram aqui, disseram que nos iriam ajudar, mas o que vemos é realmente diferente. Eles nunca nos ajudam a encontrar uma solução."

 

"Mdou Moctar tem sido uma banda anticolonial forte desde que faço parte dela", diz o produtor e baixista Mikey Coltun, que toca com Moctar desde 2017. "A França entrou, fodeu o país, então disse 'você está livre'. E eles não estão. A música 'Oh France' aborda isso de frente: "A França vela suas ações com crueldade/ Estamos melhores sem esse relacionamento turbulento/ Devemos entender seus intermináveis jogos letais".

 

No single principal e na faixa-título, Moctar dirige-se diretamente aos líderes africanos, licitando-lhes: "Retomem o controlE dos vossos países, ricos em recursos / Construam-os e parem de dormir". A canção 'Sousoume Tamacheq' trata da situação do povo tuaregue para ao qual a banda pertence, e que estão espalhados principalmente por três países: Níger, Mali e Argélia. "Oprimidos nos três/Além da falta de unidade, a ignorância é a terceira questão." Outra música, 'Imouhar', apela ao tuaregues devem preservar a sua língua Tamasheq - esta corre o risco de desaparecer e Mdou é um dos poucos na sua comunidade que sabe escrevê-la. "As pessoas aqui usam apenas o francês", lamenta Mdou. "Estão a começar a esquecer-se. sua própria língua. Sentimos que daqui a cem anos ninguém falará bem Tamasheq, e isso é muito assustador para nós."

 

Mdou Moctar em sua iteração atual é antes de tudo uma banda. Ao lado de Moctar, é formado pelo guitarrista Ahmoudou Madassane, pelo baterista Souleymane Ibrahim e pelo baixista e produtor americano Mikey Coltun.

 

A banda começou a se apresentar em casamentos tradicionais. São eventos de alta energia – os amplificadores são ajustados até 11 e toda a cidade é convidada a participar. "Eu cresci na cena punk de DC e aqui não é diferente", explica Coltun. "É um show punk DIY: as pessoas trazem geradores, ligam seus amplificadores. As coisas estão quebradas, mas eles fazem funcionar."

 

Transmitir essa energia e sentimento de comunidade para um novo público tem sido um objetivo importante para a banda. Seus primeiros shows nos EUA foram às vezes, erroneamente, organizados para serem tranquilos. Esse não é mais o caso. Ao longo de centenas de shows, eles provaram ser uma das bandas de rock mais vitais do mundo – um grupo enraizado na tradição tuaregue, mas inegavelmente seu próprio organismo singular. Um concerto de Mdou Moctar é agora reconhecido como um lugar para dançar, se não para fazer mosh com força total.

 

"'Ilana' foi o álbum de entrada, dizendo que esta é uma banda de rock pesado. E 'Afrique Victime' foi um resumo dessa visão", diz Coltun, que gravou o disco inteiro durante cinco dias em uma casa quase sem mobília no norte do estado de New York. York. "Com 'Funeral For Justice', eu realmente queria que isso brilhasse com a mensagem política por causa de tudo o que está acontecendo. À medida que a banda ficou mais unida e pesada ao vivo, fez sentido capturar essa urgência e essa agressão - foi ' Não foi uma coisa forçada, foi muito natural."

 

Em Julho de 2023 – depois de concluído o Funeral For Justice – o governo democraticamente eleito do Níger foi deposto num golpe militar. O presidente foi colocado em prisão domiciliária e a nação mergulhou num estado de caos e incerteza. Os franceses retiraram-se. A área continua ameaçada pelo terrorismo. A banda – então em turnê pelos EUA – ficou, por um tempo, impossibilitada de retornar para suas famílias.

 

"Não apoio o golpe", explica Mdou, "mas nunca na minha vida gostei da França no meu país. Não odeio a França nem o povo francês, também não odeio o povo americano, mas não odeio apoiam as suas políticas manipuladoras, o que fazem em África. Em 2023 queremos ser livres, precisamos de sorrir, percebe?"

 

TRACKLIST

1. Funeral For Justice

2. Imouhar

3. Takoba

4. Sousoume

5. Imagerhan

6. Tchinta

7. Djallo #1

8. Oh France

9. Modern Slaves

 




SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !


PARA DIVULGAÇÃO CLIQUE E FALE COMIGO: @OBLOGUEIROOFICIAL







VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

#RespeitaMeuCapelo: chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras

Com marcas como TIM, PRIO, Hashdex e Invest.Rio e nomes de peso no conselho, Instituto 12 nasce no coração do Leblon para fomentar a inovação no Rio

Empreendedorismo Familiar e superação: Do garoto vendedor de cocada na Zona Leste à CEO de 3 empresas, e sócio do Káka Diniz e João Kepler