INCLUSÃO: Parque Dom Pedro exibe "Masha e o Urso, Diversão em Dobro" em sessão adaptada para crianças com distúrbios sensoriais

Imagem
Desenvolvida para o público neurodiverso, Sessão Azul inicia o ano no empreendimento neste sábado, 24, e todos pagam meia-entrada "Masha e o Urso: Diversão em Dobro" estreou recentemente nos cinemas brasileiros (Foto: Divulgação)   O Parque Dom Pedro, administrado pela ALLOS – a maior e mais inovadora plataforma de serviços, entretenimento, lifestyle e compras da América Latina –, realiza, neste sábado, 24, a primeira edição de 2024 da Sessão Azul, quando a sala de cinema é adaptada para receber crianças com distúrbios sensoriais diversos. Neste mês, o filme escolhido pelo público foi "Masha e o Urso: Diversão em Dobro". Na Sessão Azul, todos pagam meia-entrada e os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do Kinoplex ou pelo site Ingresso.com .   Durante a Sessão Azul, a sala fica com as luzes adaptadas, o som mais baixo e a plateia pode se movimentar à vontade, durante toda a exibição. Também não há exibição de trailers comerciais antes do filme.

NEGÓCIOS: Dados apontam para requalificação urgente, como fazer?



Em um cenário ambíguo de desligamentos e muitas vagas abertas por falta de profissionais qualificados, Korú entrega a solução com cursos de atualização e novas habilidades sob medida


A startup Korú, escola e accesstech que oferece serviço de educação corporativa, foi fundada em 2022. No mesmo ano, um relatório da Great Place To Work apontava que a principal dificuldade para preencher as vagas em aberto nas empresas é a falta de profissionais com qualificação para o cargo, opção escolhida por 49% dos líderes entrevistados. Em 2023, pouco mudou: em uma pesquisa da Robert Half, 42% dos recrutadores entrevistados responderam que os candidatos não estão aptos para as funções disponíveis.

O que a startup vem provando ao mercado, ao longo desse um ano, é que a solução pode estar dentro das empresas. Na escola Korú, a educação corporativa se faz com cursos de liderança, upskilling (atualização) e reskilling (novas habilidades), um modelo que vem atraindo corporações como Ambev e Alpargatas. O CEO da Korú, Daniel Spolaor, analisa o cenário: "Profissionais com as habilidades corretas alinhadas às necessidades da empresa são mais engajados, se sentem mais valorizados e pertencentes, o que aumenta a retenção dos talentos e diminui os riscos de demissões em massa", afirma.

Em casos como das recentes demissões em massa das gigantes de tecnologia, ações estratégicas para a educação corporativa são fundamentais para a saúde do negócio. "Quando uma empresa organiza um processo de demissão em massa, a maior parte do esforço está em definir e garantir o processo de quem sai. Por mais que isso seja importante e que esperamos um mínimo de empatia e humanidade, maiores deveriam ser as ações para quem fica, pois diversas pesquisas mostram que a rotatividade aumenta nos grupos de funcionários que perdem pessoas de convívio próximo no trabalho", aponta. Um estudo da Visier Inc  aponta que, uma vez que as pessoas começam a sair, há um risco de contágio nos colegas que permaneceram na empresa e, portanto, há uma probabilidade das saídas voluntárias serem 9,1% maiores nesses casos.

Escolher os focos certos e saber priorizar as frentes de trabalho e investimentos é o que fará diferença no sucesso dessa etapa de preparação e renovação. Afinal, pessoas mais qualificadas e com mais repertório permitem mais espaço para inovação. "Dar liberdade para que os colaboradores redefinam a forma de tocar certos processos traz habitualmente um ganho grande de produtividade, escala e uma redução de carga de trabalho. Sugiro que os líderes ajudem as pessoas a terem contato com outros negócios e fornecedores. Isto automaticamente trará inovação e tecnologia para o seu negócio", afirma Daniel.

E para as novas contratações?

A pesquisa da Robert Half se aprofunda na motivação para a resposta dos recrutadores. Para os entrevistados, a falta de aptidão para os cargos disponíveis são a falta de habilidades técnicas primordiais para o cargo (49,85%), profissionais mais competentes estão empregados (45,63%) e faltam habilidades comportamentais dos candidatos para a função (38,4%).

Na Korú, todos os cursos desenvolvem tanto as habilidades comportamentais quanto as técnicas e o método utilizado é o "work based learning", que significa aprendizagem baseada em trabalho. A escola oferece quatro cursos permanentes, de acordo com seu estudo e visão de mercado, que são Desenvolvimento de Software Full Stack, Marketing Digital, Produtos Digitais e Engenharia de Dados; e também os cursos BTS, de acordo com a necessidade de cada empresa. "Durante os cursos, os alunos têm a chance ímpar de buscar soluções para questões reais das empresas, aprendendo na prática o que é necessário para se dar bem no mercado", conta Daniel.

O CEO da Korú  ainda destaca como iniciar uma carreira na área tecnológica pode se dar de forma mais rápida do que nas áreas tradicionais de formação: "O mercado de tecnologia não requer uma certificação formal. É preciso conhecimento, prática e profundidade, mas as maneiras de acessar esse tipo de conhecimento não são necessariamente as ttradicionais", diz. Atualmente a Korú consegue desenvolver a atualização ou profissionalização de uma pessoa em seis meses utilizando o método work based learning

 

Saiba mais em: www.escolakoru.com.br.

 




Por @oblogueirooficial



SIGA NAS REDES SOCIAIS



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE

MAIS ACESSADAS:

Tecnologia excludente

TECNOLOGIA: Modernização tecnológica contribui para sustentabilidade e melhora imagem de empresa para clientes e investidores

LITERATURA: Existe relacionamento perfeito?

NEGÓCIOS: Agrishow 2023

BELEZA: Especialista analisa os procedimentos estéticos dos participantes do BBB 23 "Exagerou"

Literatura empodera mulheres

NEGÓCIOS: Concretizando internacionalização, Agrotools anuncia diretor de operações na América do Norte

DECORAÇÃO: Design Dopamina

ENTRETENIMENTO: NFT.Brasil