Pretah leva samba, MPB e sons regionais ao Palco Sesc

Imagem
Foto: Divulgação  Quarta-feira 17/04, é dia de Palco Sesc e quem se apresenta desta vez é a cantora  Pretah . A ação é parceria do  Sesc Cultura , integrante do Sistema Comércio e  Shopping Campo Grande  . A apresentação começa às 18h30, na praça de alimentação, aberta ao público. Pretah apresenta um repertório repleto de músicas brasileiras, como samba, incluindo também canções de compositores regionais. Serviço – Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417. Acompanhe as ações do Sesc Cultura @sescculturams e Facebook/sescculturams e no aplicativo "Encontre no Sesc". CLIQUE E FALE COMIGO: @OBLOGUEIROOFICIAL SIGA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM:   www.instagram.com/oblogueirooficial PINTEREST:   www.br.pinterest.com/oblogueirooficial TIKTOK:  www.tiktok.com/@oblogueirooficial FACEBOOK:  www.facebook.com/siteoblogueiro THREADS:   www.threads.net/@oblogueirooficial TWITTER:   www.twitter.com/siteoblogueiro CLIQUE  AQUI   E INSC

Cibercrime funciona igual empresa visando gerar lucro


Eder Souza (*)



Estima-se que os custos com o cibercrime deverão atingir US$ 10,5 trilhões em 2025, um aumento de mais de 50% em relação a 2022, quando a cifra chegou a US$ 6,9 trilhões.

Para chegar a estes números, o cibercrime utiliza um modelo de negócio empresarial e funciona igual a uma empresa muito bem estruturada, com um organograma elaborado com divisão de tarefas que devem ser seguidas à risca.

É arriscado pensar que o cibercrime é coisa de amadores. Muito pelo contrário, esta atividade altamente lucrativa possui uma divisão operacional muito definida, com especialistas em diferentes áreas, como engenharia de software e de redes, engenheiros sociais, analistas de mercado, entre outras funções.

O cibercrime tem até área de recrutamento, responsável por buscar pessoas especializadas - e pagando super bem - para atuar dentro de sua estrutura e também para serem infiltradas em grandes organizações, onde atuam como agentes a serviço dos objetivos de negócios do crime cibernético.

Do outro lado, estão as empresas necessitando se proteger do cibercrime, com uma necessidade exponencial de profissionalização de seus processos e equipes, necessitando investimentos pesados em soluções de segurança. Se o cibercrime é profissional, as empresas devem ter atuação proativa para barrar as ameaças que, cada vez mais, são avassaladoras.



A proatividade da defesa cibernética


No mercado de TI, é comum a gente ouvir a afirmação que os criminosos estão sempre um passo à frente das empresas no quesito cibersegurança e as empresas irão, certamente, sofrer um ataque. Segundo os especialistas do setor, a invasão é apenas uma questão de tempo.


Então, o que as empresas devem fazer para se proteger dos ataques cibernéticos? A resposta é garantir que suas equipes trabalhem com proatividade e eficiência e para isso precisam ser abastecidas de tecnologias avançadas. Mais: investir em conhecimento, na capacitação de suas equipes e em tecnologias proativas e, cada vez mais, manter seus processos organizacionais sempre atualizados.

 

A crescente dependência em tecnologias digitais, a sofisticação dos ataques e a falta de preparo para lidar com esta situação são itens usualmente relatados pelas organizações e consultorias de cibersegurança, onde todos os dias recebemos notícias relacionadas à violação de dados de grandes companhias. Devemos ter em mente que é possível fazer a lição de casa e assim, evitar virar capa de jornal como vítimas do cibercrime.



Atuar na linha de frente na defesa cibernética

Profissionalizar a área de segurança e investimentos deve ser uma prioridade, o que exige de uma atuação muito bem definida a partir de uma estratégia que vai, desde a avaliação dos riscos, até o estabelecimentos de regras e diretrizes, que devem ser seguidos à risca por todos os departamentos da empresa, de alto a baixo na estrutura organizacional.
 

A análise e visibilidade de rede (NAV) é uma iniciativa importante para a descoberta e identificação de possíveis ameaças nas redes de computadores, que até então poderiam estar ocultas e com isso permitir a execução de ações de proteção e resposta, reduzindo a janela de tempo entre a descoberta e a contenção de uma situação que pode representar um grande risco para a empresa.

 

A atenção às APIs é outro fator importante. Com os negócios cada vez mais digitais e interconectados, as interfaces de programação de aplicativos (APIs) ocupam papel preponderante neste novo cenário empresarial, justamente porque elas possibilitam a integração e execução de serviços digitais em diversas áreas de negócios e assim, investir esforços na sua proteção pode representar um grande diferencial na estratégia de evitar paralisações ou vazamento de dados sensíveis para o negócio.

Treinamento das equipes, investir na educação cibernética

Em um projeto destinado para a capacitação das equipes, o primeiro passo é avaliar o nível de conhecimento destas no tema cibersegurança e conhecer as habilidades das pessoas envolvidas no manuseio de aplicações e sistemas de dados, buscando determinar as responsabilidades de todos neste processo de defesas do ambiente de trabalho. Com a capacitação, deve-se garantir o envolvimento de todas as partes interessadas, incluindo executivos, gerentes, funcionários e fornecedores.

Oportunidade para qualificar os investimentos em cibersegurança
Os investimentos em cibersegurança no Brasil têm crescido nos últimos anos, segundo a pesquisa IDC Cyber Security Research Latin America 2023, e devem representar 3,5% dos investimentos totais em TI ao final do ano passado, o que indica um aumento de 12% em relação ao ano anterior. Mesmo com este aumento, o País está atrás de países desenvolvidos em termos de investimentos em cibersegurança.

Se isso representa um risco para as empresas locais, é também uma oportunidade para as empresas qualificarem seus investimentos na área, incluindo podendo contar com apoio de serviços gerenciados oferecidos por empresas especializadas em cibersegurança.

A mais recente pesquisa IDC Cyber Security Research Latin America 2023 mostra que 39% dos executivos de TI da América Latina garantem que irão investir em segurança de TI e que as empresas brasileiras têm buscado fortalecer suas estratégias de segurança, adotando medidas como Messaging Security Software e Tier 2 SOC Analytics.

A expectativa dos analistas da IDC é que ocorra uma migração para centros de operações de segurança autônomos, visando uma gestão de risco mais eficiente. Em nossa avaliação, a adoção de SOC como Serviço - a partir de serviços gerenciados - se apresenta como alternativa altamente viável em oposição à profissionalização empresarial utilizada pelo cibercrime.

(*) CTO da e-Safer.

 

SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !


VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

#RespeitaMeuCapelo: chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras

Com marcas como TIM, PRIO, Hashdex e Invest.Rio e nomes de peso no conselho, Instituto 12 nasce no coração do Leblon para fomentar a inovação no Rio

Empreendedorismo Familiar e superação: Do garoto vendedor de cocada na Zona Leste à CEO de 3 empresas, e sócio do Káka Diniz e João Kepler