Maybelline NY anuncia Ludmilla como nova porta-voz da marca

Imagem
Única, valiosa e blindada, a cantora estreia na marca número #1 de maquiagem do mundo. Foto: Divulgação     Cantora, famosa por sua versatilidade musical e ganhadora do Grammy Latino de 2022, Ludmilla agora também é porta-voz de Maybelline NY , marca número 1 de maquiagem no mundo*.   Maybelline NY , marca que sempre encorajou as pessoas a terem confiança para se expressarem em todos os momentos, se une à cantora Ludmilla para escrever uma nova história na categoria de maquiagem no Brasil. Para celebrar esse momento, o novo manifesto ''Única como Você'' , reforça a superioridade de ser a marca número 1 de maquiagem no mundo, com tecnologia e diversidade única. Por meio desse conceito, Maybelline NY reafirma seu propósito de empoderar consumidoras de todas as origens a expressar suas individualidades e serem elas mesmas.   Ao ter Ludmilla como novo rosto da marca, Maybelline NY a reconhece não apenas como uma artista talentosa, mas também como uma fig

Com menos oportunidades no mercado e arrimo de família, mulheres se voltam ao empreendedorismo


Elas lideram demanda por Microcrédito que cresceu 45% desde a Pandemia em 2020


As mulheres ganham 19,4% a menos do que os homens e a diferença pode chegar a 25,2% em cargos de dirigentes e gerentes, como mostrado pelo recém-divulgado 1º Relatório Nacional de Transparência Salarial e de Critérios Remuneratórios, produzido pelos Ministérios do Trabalho e Emprego (MTE) e das Mulheres. Este fator, associado ao fato de que muitas delas sustentam sozinhas seus lares e sofrem com menos oportunidades de empregos de qualidade, explica o porquê de estarem no topo de outro dado estatístico, desta vez positivo: elas são responsáveis por 60% da demanda total por microcrédito produtivo orientado (MPO).

A informação é do Centro de Apoio aos Pequenos Empreendimentos (Ceape Brasil) e se refere à tomada de empréstimos para capital de giro, compra de máquinas ou para reforma, entre outras necessidades de microempreendedores. Curiosamente, ambas pesquisas, embora independentes uma da outra, complementam-se. O documento divulgado pelos ministérios do governo federal aponta que apenas 32,6% das empresas têm políticas de incentivo à contratação de mulheres. O índice piora conforme o grupo específico a que a mulher pertence. Se for negra, 26,4%; com deficiência, 23,3%; LGBTQIP+, 20,3%; e mulheres chefes de família, 22,4%. Para vítimas de violência apenas 5,4% das empresas têm políticas de incentivo.

"Para aquelas que ficam de fora dessas políticas, não há outra solução que não seja empreender", diz Claudia Cisneiros, diretora executiva do Ceape Brasil. Segundo a entidade, o MPO tem crescido no país. Nos últimos três anos, entre 2020 e 2023, o aumento do valor liberado de empréstimos atingiu 45%. Já o valor médio dos empréstimos concedidos subiu 29% desde o início da Pandemia.

A pesquisa foi feita com a base de clientes da própria instituição, que já concedeu mais de R$ 2,5 bilhões em crédito, beneficiando cerca de 1,5 milhão de empreendedores, principalmente na região Nordeste. Entre 2019 e 2023, o Ceape concedeu cerca de R$ 800 milhões em crédito em 170 mil operações.

"O microcrédito produtivo orientado se encontra acima dos níveis pré-pandemia. Em 2019, o tíquete médio solicitado era de R$ 3.893,38 e passou para R$ 5.855,86 em 2023, um crescimento de 50,4%. Buscamos evitar conceder empréstimos elevados e fazer com que a pessoa fique cada vez mais endividada", observa Claudia Cisneiros, ao lembrar que a maior parte dos solicitantes se encontram na informalidade, ou seja, ainda não fizeram seu cadastro como Microempreendedor Individual (MEI).

As perspectivas para este ano são promissoras. Com a continuidade da queda da taxa básica de juros (Selic), há o barateamento do custo de crédito, que se torna mais acessível aos pequenos. Além disso, os juros mais baixos estimulam novos negócios e investimentos. Para se ter uma ideia, 58,7% dos microempreendedores afirmam que a taxa de juros é o que mais pesa na hora de pegar empréstimos, de acordo com a pesquisa de Educação Financeira realizada pelo Ceape, com 242 pessoas.

Outro dado do levantamento que chama a atenção é que 32,2% dos entrevistados afirmam que recorrem a linhas de crédito quando se deparam com o orçamento apertado para pagar as contas ou fazer compras de última hora. Outros 16,1% usam o cartão de crédito e 13,6% pedem emprestado para parentes ou amigos. O restante (38%) conta com uma reserva de emergência.

Existente desde 2005 para incentivar a geração de emprego por microempreendedores populares com juros baixos, o MPO busca não apenas conceder o empréstimo solicitado para impulsionar os pequenos negócios, mas também atua na educação financeira. O Ceape empresta principalmente para microempreendedores informais com o objetivo de fomentar esses pequenos negócios e, em seguida, colocá-los no caminho da formalização. "Hoje também emprestamos para alguns MEIs, mas o foco maior ainda está nas pessoas físicas que empreendem informalmente", afirma Claudia Cisneiros.

Claudia lembra que, sem a devida orientação, o microempreendedor acaba conseguindo obter o crédito, mas não aplica corretamente para impulsionar o crescimento do negócio. Desta forma, o risco do concessor que atua neste segmento é elevado, o que limita a participação dos bancos. "O microcrédito das instituições comerciais tem um viés de consumo. É um CDC (Crédito Direto ao Consumidor) adaptado. Nós buscamos educar financeiramente para que estes microempreendimentos cresçam, gerem mais renda e emprego e ajudem no desenvolvimento econômico", ressalta.

Segundo Claudia, o principal desafio é entender o perfil de risco do público. "Não é simples conceder empréstimo, pois trata-se de um público diferenciado, que nem sempre está cadastrado nos bureaus de crédito. A análise do risco precisa ser feita in loco. Muitos nem conta bancária tem. É um trabalho maravilhoso, mas quem deseja participar deste mundo, precisa ter muita paixão e desejo por ajudar ao próximo", afirma Cláudia.
Presente no Maranhão, Ceará, Pará, Tocantins e São Paulo, o CEAPE Brasil conta com 21 mil clientes ativos, ou seja, com empréstimos em andamento. Hoje a entidade tem 290 colaboradores, sendo que 60% são assessores de crédito, aqueles que visitam os tomadores para saberem as condições e avaliarem os riscos envolvidos.


SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !


VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Nubank Ultravioleta anuncia entrada no segmento de viagens com lançamento da Conta Global para clientes

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

Zeca Camargo, Julia Kater e Paulo Nimer Pjot marcam presença na Arena Iguatemi na 20ª edição da SP-Arte

#RespeitaMeuCapelo: chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras