Maybelline NY anuncia Ludmilla como nova porta-voz da marca

Imagem
Única, valiosa e blindada, a cantora estreia na marca número #1 de maquiagem do mundo. Foto: Divulgação     Cantora, famosa por sua versatilidade musical e ganhadora do Grammy Latino de 2022, Ludmilla agora também é porta-voz de Maybelline NY , marca número 1 de maquiagem no mundo*.   Maybelline NY , marca que sempre encorajou as pessoas a terem confiança para se expressarem em todos os momentos, se une à cantora Ludmilla para escrever uma nova história na categoria de maquiagem no Brasil. Para celebrar esse momento, o novo manifesto ''Única como Você'' , reforça a superioridade de ser a marca número 1 de maquiagem no mundo, com tecnologia e diversidade única. Por meio desse conceito, Maybelline NY reafirma seu propósito de empoderar consumidoras de todas as origens a expressar suas individualidades e serem elas mesmas.   Ao ter Ludmilla como novo rosto da marca, Maybelline NY a reconhece não apenas como uma artista talentosa, mas também como uma fig

Como o setor de produto tem sido visto pelas empresas?



 

 

*João Zanocelo, da BossaB

 


O mercado de tecnologia está em constante evolução e se apresenta em um cenário dinâmico nos últimos anos. Neste contexto, as empresas começaram a prezar mais pela sustentabilidade financeira ao crescimento a qualquer custo. Para isso, as organizações e líderes de Produto precisaram se adaptar a essas novas demandas.
 

Em um contexto de abundância, setores de Produto ainda eram vistos como áreas de gestão de projeto, em que o objetivo central estava no planejamento de entregas. E isso acontecia principalmente por conta de três motivos. O primeiro deles é que as empresas tinham capacidade financeira enorme para investir em novas iniciativas e estruturas de Produto. Além disso, a prioridade era de crescimento a qualquer custo, dissipando o foco daquilo que de fato mexe no ponteiro de negócio. E por último, o despreparo das organizações de Produto como um todo, uma vez que a seniorização de profissionais aconteceu muito rápido pela necessidade do setor, sem preparação da equipe. 
 

Por conta desses motivos, o Produto se distanciou muito do negócio e focou demais na entrega, indo contra o senso comum e a própria literatura. Porém, hoje em dia a área voltou a ser vista e cobrada a ser um setor pertencente ao de negócios, com maior foco no resultado e redução de risco. Agora é a hora de algumas empresas de Produto aprenderem a fazer essa transição.
 

No início de 2024, a BossaBox realizou uma pesquisa com a base de prolancers - que são os freelancers profissionais de tecnologia e Produto cadastrados para projetos na plataforma -, e entrevistou 120 líderes. A partir dos resultados, foram identificados planos de ação em três frentes diferentes para lidar com este cenário, veja abaixo.
 

Planejamento de Produto
Antes, a área de Produto tinha seu planejamento apartado das outras, e vice-versa. Claro que existiam trocas, mas elas eram muito rasas e qualitativas. Para resolver isso, passou-se a integrar mais esse processo, principalmente dentro das BUs (Business Units). O ideal, neste caso, é que o plano seja traçado usando as necessidades de negócio como premissa.


Priorização de Produto
Uma vez que as empresas dispõem de menos recursos e estão em busca de apostas mais certeiras, o gestor de Produto passou a ser cobrado por um processo de priorização mais racional e financeiro. Antes, a priorização acontecia somente no momento que eram levantadas necessidades endereçadas por meio do Produto, mas a conexão disso com uma métrica de negócio sempre foi muito fraca.

Com menos recursos, as escolhas ficam mais difíceis e esse processo precisa estar mais sofisticado.
 

Gestão de Expectativas de Produto 
Ainda dentro do estudo realizado com profissionais de Produto pela BossaBox, cerca de 35 deles revelaram que o maior desafio de 2024 será gerir as expectativas da alta liderança.
 

A busca por resultados ficou mais intensa nesses últimos anos. Anteriormente, profissionais de Produto não se preocupavam com métricas financeiras, como: "Quanto meu time custa?; Quando gero de receita?; O que posso fazer para mudar isso?". Hoje, esses são questionamentos realizados pela alta liderança das organizações, já que a expectativa por resultado vem a partir desses projetos.
 

Portanto, é preciso destacar que o papel de Produto é não só entender profundamente como o negócio funciona e as principais métricas financeiras da companhia, como também entender qual a sua influência em cada linha da DRE (Demonstração de Resultado de Exercício).
 

*É cofundador, Head de Produto e Marketing e da BossaBox. Formado em Marketing pela ESPM, possui certificados na área de Produto e Design pela Reforge, Tera e Mergo.

 

João Zanocelo, cofundador e Head de produto e marketing (Foto: Luciano Alves)


 

SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !





VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Nubank Ultravioleta anuncia entrada no segmento de viagens com lançamento da Conta Global para clientes

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

Zeca Camargo, Julia Kater e Paulo Nimer Pjot marcam presença na Arena Iguatemi na 20ª edição da SP-Arte

#RespeitaMeuCapelo: chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras