Segunda edição do Salão Literário Infantojuvenil Brasil-Alemanha acontece em maio

Imagem
A i-Lit (Fórum Literário Internacional), em parceria com as editoras Ogro, Girabrasil, Razamba, Fafalag, Gratitude, o estúdio Illustralabor e o Clube do Livro Muenster, vai realizar o 2º Salão Literário Infantojuvenil Brasil-Alemanha, nos dias 4 e 5 de maio de 2024, em Offenbach am Main, na Alemanha.   Para isso acontecer, o evento está recebendo apoio institucional do Consulado-Geral do Brasil em Frankfurt, da Prefeitura de Offenbach, da Der Paritätische (organização não governamental alemã que atua na área social), do Instituto Guimarães Rosa e do Instituto F.I.Z. e.V.   Este segundo Salão proporcionará atividades interativas gratuitas para jovens leitores alemães e para a comunidade brasileira local, e também irá reforçar a riqueza e a diversidade na literatura, atraindo participantes de diversas nacionalidades.   Para Andréia Oliveira Amthor, agente literária e fundadora da i-Lit, o retorno do Salão Literário demonstra que o evento foi bem recebido pelas autoridades

Estratégia de regionalização: como adaptar o varejo às diversidades do Brasil


Por Luciana Medeiros* e Renato Meirelles**

 

As empresas de consumo e varejo no Brasil estão diante de um cenário diversificado que desafia a adoção de uma abordagem uniforme. Os dados sobre a distribuição de classes econômicas e a demografia racial evidenciam a necessidade de uma estratégia bem adaptada para atender às particularidades de cada região.
 

As classes C, D e E, que compõem 76% da população e são responsáveis por quase metade do consumo total no país, por exemplo, estão mais concentradas nas regiões Sudeste e Nordeste (71% do total), conforme aponta o estudo "Mercado da maioria – Como a força da população de baixa renda está transformando o setor de varejo e consumo no Brasil", realizado pela PwC e pelo Instituto Locomotiva.
 

O Sudeste, mais especificamente, abriga 39% desse grupo, o que indica uma significativa parcela da população brasileira de classe média e baixa nesta região. Em seguida, vem o Nordeste, com 32%.
 

As organizações precisam desenvolver estratégias que atendam às necessidades e padrões de consumo específicos desses grupos. Por exemplo, é essencial desenvolver produtos e embalagens que se alinhem com a capacidade de investimento dos consumidores nas áreas com menor poder aquisitivo. Embalagens menores e preços acessíveis podem ser mais atraentes nesses mercados. Preferências regionais, como aromas ou sabores favorecidos pelo clima, também podem ser um fator diferencial.
 

As marcas devem também ser sensíveis às variações culturais e raciais. Em nível nacional, 56% dos brasileiros se identificam como negros, mas esse percentual varia muito regionalmente. Para se ter uma ideia, o Norte e o Nordeste concentram a maior proporção de população identificada como negra – 79% e 74%, respectivamente.
 

Esses dados contrastam fortemente com a realidade da Região Sul, que registra a menor proporção de negros: 26%. O Sudeste tem a distribuição mais equilibrada, com 48%, bem abaixo dos 63% do Centro-Oeste.
 

No Norte e Nordeste, onde a concentração de população negra é maior, as campanhas de marketing podem ter uma performance com maior engajamento ao refletir a identidade cultural e racial da população local. Isso não só ressoa com o público, mas também reforça a responsabilidade social da marca.
 

Em um país tão multifacetado em termos regionais, não há uma fórmula única. Uma estratégia de mercado eficaz requer compreensão profunda e comprometimento com a diversidade econômica, cultural e racial do Brasil. Isso se traduz em um desafio gigantesco do ponto de vista de mix de produtos e serviços, levando em consideração uma personalização cuidadosa na oferta, além de uma comunicação que celebre a riqueza da diversidade brasileira.
 

De acordo com o estudo Mercado da maioria, 64% dos entrevistados das classes C, D e E aceitariam pagar um pouco mais por marcas e produtos que apoiem a diversidade e metade deixariam de comprar de alguma marca que tivesse atitudes consideradas preconceituosas. Os líderes do setor precisam constantemente questionar se suas estratégias estão alinhadas com essas nuances do mercado brasileiro.
 

Essa estratégia envolve o desenvolvimento de novos produtos e serviços que atendam às expectativas emergentes dos consumidores e a implementação de cadeias de distribuição que possam alcançar de modo eficiente todas as camadas da população.

 

Distribuição socioeconômica e racial dos brasileiros
 

 


 



 

Fonte: PwC e Instituto Locomotiva, Mercado da maioria – Como a força da população de baixa renda está transformando o setor de varejo e consumo no Brasil, 2023


*Luciana Medeiros é sócia da PwC Brasil e líder do setor de Varejo e Consumo

** Renato Meirelles é presidente do Instituto Locomotiva



Fotos: Divulgação




SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !







VEJA TAMBÉM:

Rita Cadillac grava vídeo pornô com criador de conteúdo adulto Jefão

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

Multishow e Globoplay transmitem "SOWETO - 30 Anos Ao vivo" nesta sexta (19)

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

BBB: Análise das três últimas edições aponta diferenças no comportamento do público nas redes sociais

Ana Clara invade casa do Big Brother Brasil 24 após grande final no Multishow

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

Vitrine de Inovações: Agrishow 2024 reunirá mais de 800 marcas expositoras nacionais e internacionais durante os cinco dias de evento

Novo Nordisk é a única farmacêutica presente no Web Summit 2024