Pretah leva samba, MPB e sons regionais ao Palco Sesc

Imagem
Foto: Divulgação  Quarta-feira 17/04, é dia de Palco Sesc e quem se apresenta desta vez é a cantora  Pretah . A ação é parceria do  Sesc Cultura , integrante do Sistema Comércio e  Shopping Campo Grande  . A apresentação começa às 18h30, na praça de alimentação, aberta ao público. Pretah apresenta um repertório repleto de músicas brasileiras, como samba, incluindo também canções de compositores regionais. Serviço – Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417. Acompanhe as ações do Sesc Cultura @sescculturams e Facebook/sescculturams e no aplicativo "Encontre no Sesc". CLIQUE E FALE COMIGO: @OBLOGUEIROOFICIAL SIGA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM:   www.instagram.com/oblogueirooficial PINTEREST:   www.br.pinterest.com/oblogueirooficial TIKTOK:  www.tiktok.com/@oblogueirooficial FACEBOOK:  www.facebook.com/siteoblogueiro THREADS:   www.threads.net/@oblogueirooficial TWITTER:   www.twitter.com/siteoblogueiro CLIQUE  AQUI   E INSC

Para quem são os "carros voadores"

 

O mercado dos eVTOLs, os veículos elétricos de decolagem e pouso vertical, está decolando e é importante que o Brasil não perca a oportunidade de inserir de forma escalável e segura esse modal às cidades

 

Por Emerson Granemann*

 

O setor de Mobilidade Aérea Avançada, como tecnicamente é conhecido o mercado dos "carros voadores", está prestes a decolar e movimentar bilhões de dólares pelos próximos anos. No mundo há mais de 800 programas de eVTOLs, os veículos elétricos de decolagem e pouso vertical, dos mais variados modelos e em desenvolvimento por cerca de 350 empresas, segundo dados da The Vertical Flight Society.

 

Apesar dos números vultuosos, uma parcela pequena que conseguiu avançar seus projetos e está recebendo recursos de investidores privados — e até do poder público em programas de tecnologia e sustentabilidade. Em breve veremos os eVTOLs de aproximadamente 30 empresas tomarem os céus e de fato operarem de forma comercial em todo o mundo. Na China, por exemplo, uma desenvolvedora já obteve certificação para voos com passageiros.

 

Para avançar com esse mercado, mais de 10 bilhões de dólares de Venture Capital já foram destinados a esses projetos, sem contar que algumas empresas já estão listadas em Bolsas de Valores. Um reflexo do perfil dessas companhias, geralmente startups criadas com o propósito específico de fabricar eVTOLs. Mas as principais fabricantes de aviões também entraram na onda. A Embraer criou a Eve Air Mobility, a Boeing adquiriu a Wisk Aero e a Airbus está desenvolvendo internamente seu eVTOL. Sem contar a indústria automobilística que tenta voar também como Volkswagen, Hyundai, Honda e outras.

 

Há um frenesi generalizado em torno dessas aeronaves, mas ainda não se sabe ao certo como será a operação no dia a dia, pois como se trata de futuro e de uma nova tecnologia, a cautela tem sido prioridade. Do que já foi testado e divulgado ao redor do mundo, os eVTOLs serão usados para completar a cadeia de mobilidade nas cidades. Eles poderão, por exemplo, conectar em poucos minutos aeroportos de uma mesma região, como Congonhas, Campo de Marte e Guarulhos, ou Jacarepaguá, Santos Dumont e Galeão. Ou conectar esses aeroportos a vertiportos — os novos pontos de pouso e decolagem — aos bairros. Quem sabe será possível comprar uma passagem apenas que vá do Morumbi, em São Paulo, para a praia de Jurerê, em Florianópolis. Claro, com os devidos voos de avião entre os aeroportos.

 

Mesmo com a promessa de "democratizar" o acesso, é de se supor que primeiro embarcarão nessa as pessoas com mais recursos financeiros, que já utilizam helicópteros, por exemplo. A ideia das fabricantes e operadoras é ampliar esse público à medida que se vá ganhando escala, confiando em um custo mais baixo de operação quando comparado com helicópteros, a começar pelo fato de que os eVTOLs são elétricos, o que tende a ser mais barato que o combustível tradicional. Mas isso é pensando em um início de operação em 2025 e crescendo gradualmente pelos próximos 10 a 15 anos.

 

Espera-se que esse cenário se confirme e que tenhamos uma proliferação de vertiportos em condomínios residenciais e comerciais, bem como em pontos estratégicos para conectar cidades separadas por até 100 quilômetros, como São Paulo a Campinas.

 

Para não perder essa oportunidade, o Brasil precisa ainda resolver alguns aspectos, especialmente regulatórios e de certificação dos eVTOLs. É preciso nesse momento envolver poder público, empresas e sociedade para debater de forma aprofundada para possamos gerar um ecossistema de mobilidade aérea escalável, acessível, sustentável e seguro.

 

*Emerson Granemann é CEO da MundoGEO e idealizador do Expo eVTOL, primeira feira do Brasil dedicada aos "carros voadores".

 


SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !



VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

#RespeitaMeuCapelo: chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras

Com marcas como TIM, PRIO, Hashdex e Invest.Rio e nomes de peso no conselho, Instituto 12 nasce no coração do Leblon para fomentar a inovação no Rio

Empreendedorismo Familiar e superação: Do garoto vendedor de cocada na Zona Leste à CEO de 3 empresas, e sócio do Káka Diniz e João Kepler