Pretah leva samba, MPB e sons regionais ao Palco Sesc

Imagem
Foto: Divulgação  Quarta-feira 17/04, é dia de Palco Sesc e quem se apresenta desta vez é a cantora  Pretah . A ação é parceria do  Sesc Cultura , integrante do Sistema Comércio e  Shopping Campo Grande  . A apresentação começa às 18h30, na praça de alimentação, aberta ao público. Pretah apresenta um repertório repleto de músicas brasileiras, como samba, incluindo também canções de compositores regionais. Serviço – Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417. Acompanhe as ações do Sesc Cultura @sescculturams e Facebook/sescculturams e no aplicativo "Encontre no Sesc". CLIQUE E FALE COMIGO: @OBLOGUEIROOFICIAL SIGA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM:   www.instagram.com/oblogueirooficial PINTEREST:   www.br.pinterest.com/oblogueirooficial TIKTOK:  www.tiktok.com/@oblogueirooficial FACEBOOK:  www.facebook.com/siteoblogueiro THREADS:   www.threads.net/@oblogueirooficial TWITTER:   www.twitter.com/siteoblogueiro CLIQUE  AQUI   E INSC

Varejo e Indústria têxteis contestam afirmações do Ministério da Fazenda ao STF sobre isenção de impostos para sites internacionais de e-commerce

A ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil) e a ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) contestam o teor da resposta do Ministério da Fazenda, enviada na última sexta-feira (22/03) ao Supremo Tribunal Federal (STF), na análise, pela Suprema Corte, da ação da CNI (Confederação Nacional da Indústria) e da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) que apontou a inconstitucionalidade de portaria do Ministério que isentou do imposto de importação os produtos adquiridos por meio de sites internacionais de e-commerce. Trata-se da Ação Direta de Inconstitucionalidade 7.589, que analisa, no STF, a Portaria 612/23, que isentou de impostos federais, no âmbito do Programa Remessa Conforme, as compras de até 50 dólares por meio destes sites internacionais.


Em sua resposta ao STF, o Ministério da Fazenda afirma que "evidencia-se que a isenção ou alíquota zero do Imposto de Importação, para remessas postais em valor inferior a 50 (cinquenta) dólares, não afronta a isonomia ou a livre concorrência". A afirmação colide com os fatos. O setor produtivo nacional, como no caso da indústria e do varejo têxteis, arca, em sua cadeia, com uma carga tributária superior a 80%, enquanto os sites de vendas internacionais recolhem apenas 17% do ICMS, imposto estadual, taxa esta que, individualmente, também inferior à cobrada do varejo têxtil.


Em sua argumentação, o Ministério da Fazenda ainda afirma que "trata-se de tributo (referindo-se ao imposto de importação) que não incide sobre o produtor nacional". Novamente, distante da realidade. Quando realiza importações, o varejo têxtil, por exemplo, paga 109% em impostos, dentre eles o de importação e o IOF, enquanto os sites internacionais de e-commerce beneficiam-se de isenção desses tributos federais sobre suas vendas.


O mais grave é que a resposta da Fazenda ao STF é mais um capítulo do adiamento da revogação, que é urgente, da Portaria MF 612/23, que concedeu essa injusta e inconstitucional isenção de impostos. O atraso tem custado, desde o final do ano passado – quando o Governo Federal prometeu a revogação da medida --, a sobrevivência de centenas de empresas e milhares de empregos na indústria e no varejo. Em médio prazo, a manutenção da isenção, promotora de concorrência absolutamente desleal, ameaça a sobrevivência de todo um segmento econômico composto por 200 mil empresas da indústria e do varejo, nas quais trabalham quase dois milhões de pessoas. Os segmentos, juntos, são o segundo maior empregador do País.


Finalmente, a ABIT e a ABVTEX também protestam contra alegações da Fazenda ao STF, que, no espírito de prosseguir postergando a resolução de tão grave problema econômico e social, são contraditórias e colidem com a lógica. É o caso da afirmação de que o fim da isenção aos sites internacionais de e-commerce "inviabilizaria o Remessa Conforme". Ora, o objetivo louvável do programa é o de extirpar desses sites internacionais ações marcadas pela clandestinidade e pela fraude – práticas consumadas, anteriormente, pela simulação de vendas por esses canais como se fossem remessas de pessoas físicas para pessoas físicas, as únicas, até então, isentas do imposto de importação até o limite de US$ 50. Isso significa, então, que se não gozarem de isenção de impostos essas plataformas de e-commerce sairiam do programa e voltariam a praticar fraudes? É para esse tipo de empresa que o Estado brasileiro concedeu um subsídio na forma de isenção de impostos?


Infelizmente, a manifestação da Fazenda junto ao STF, que há de reconhecer a inconstitucionalidade de portaria anticoncorrencial, em nada colabora para a resolução de um problema social e econômico que assola o setor produtivo nacional e, por consequência, apresenta riscos e preocupações para o País no seu todo. Ou se taxa o lá de fora ou se isenta o local nas mesmas bases.

Isonomia, tributária, já!

 

 


SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !






VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

#RespeitaMeuCapelo: chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras

Com marcas como TIM, PRIO, Hashdex e Invest.Rio e nomes de peso no conselho, Instituto 12 nasce no coração do Leblon para fomentar a inovação no Rio

Empreendedorismo Familiar e superação: Do garoto vendedor de cocada na Zona Leste à CEO de 3 empresas, e sócio do Káka Diniz e João Kepler