MODA: Block Core, apenas 3% consideram camisetas de time de futebol adequadas para encontros românticos

Imagem
O happn, aplicativo de paquera da vida real, realizou uma pesquisa com os seus usuários para entender a aceitação de homens e mulheres ao Block Core em um primeiro encontro. "Block Core" é a nova tendência de usar camisetas de times de futebol como ícones de moda, que está em alta nas redes sociais desde que a modelo brasileira, Alessandra Ambrósio, compareceu aos desfiles da semana de moda de Paris usando a camiseta do Grêmio, seu time de coração. A pesquisa, que ouviu aproximadamente mil usuários do aplicativo no Brasil, revela que embora a tendência Block Core tenha ganhado visibilidade, a aceitação desse estilo no contexto de encontros românticos ainda enfrenta resistência.  Quando falamos em primeiro encontro, a pesquisa revelou que uma maioria de 81% das mulheres nunca usou esse tipo de vestuário, enquanto 37% dos homens afirmam já ter saído para um primeiro date usando camisa de time de futebol. Perguntados se estariam dispostos a usar camisa de time a partir da tendên

Surfe e empoderamento feminino: ONG Todas Para o Mar devolve orgulho e dignidade a famílias de comunidades de Maracaípe (PE)



ONG Todas Para o Mar auxilia crianças e jovens através do surfe, conscientizando a população local sobre o empoderamento feminino e práticas antirracistas. Foto: Divulgação


Recanto do surfe no litoral sul de Pernambuco, com águas mornas,  vasto coqueiral e diversidade natural, a praia de Maracaípe, a 65 km do Recife, é reconhecida internacionalmente por suas belezas. A autoestima turística da região também busca ser estendida à comunidade local pela ex-surfista profissional Nuala Costa através da ONG Todas Para o Mar (TPM). O projeto nasceu com o objetivo de dar visibilidade ao surfe feminino através do Festival Maraca Surf Festival. E, após notar uma baixa aderência ao surfe, em 2017, é criado o projeto Inclua Surf TPM, para crianças e jovens, conscientizando a população sobre o empoderamento feminino e também práticas antirracistas, que potencializam as capacidades das dezenas de famílias atendidas. 

Nuala começou sua carreira no surfe aos 16 anos, por meio de um projeto social. Apesar do talento, se deparou com a invisibilidade e a falta de patrocínios como consequência do racismo estrutural. Mesmo sem apoio, participou de campeonatos e conquistou boas colocações, como o Campeonato Brasileiro de Surf amador, Super Trials e o Circuito Nordestino de Surf. Essa falta de apoio levou Nuala a um esgotamento emocional, fazendo-a sair do país e arriscar a viver na Europa durante quinze anos, ao lado da mãe e dos irmãos que já moravam no país em busca de melhores condições de vida. No primeiro momento, Nuala morou em Portugal e, quatro anos depois, foi para a Espanha. Trabalhou como diarista, secretária, gerente de bar e tripulante de um iate e, nessa época, também foi mãe. 

Ao retornar ao Brasil, em 2015, deparou-se com as mesmas dificuldades entre as surfistas, principalmente as negras e nordestinas, criando a ONG para empoderar e tornar visíveis os rostos desconhecidos pela falta de apoio tanto do poder público quanto da iniciativa privada.

"Com a construção do coletivo TPM, fui notando que essas dificuldades não se restringiam apenas às mulheres negras periféricas, onde as mulheres de forma

geral precisam de fortalecimento, reconhecimento e empoderamento. A proposta do coletivo se tornou seu propósito de vida, onde pretende torná-lo em um projeto socioeconômico que atenda as necessidades da comunidade", diz Nuala, com o empoderamento de quem pratica surfe há 26 anos. "As dificuldades servem para fortalecer e crer que é possível incentivar outras mulheres a se empoderar". 


PARA ALÉM DO SURFE



Além do esporte, a ONG também aborda questões de empoderamento, educação antirracista e de empreendimento para a comunidade local. Para a fundadora, Nuala o suporte à comunidade é uma ferramenta fundamental para mudar a realidade da região. "Nós reconhecemos que o acesso ao esporte, cultura, educação e o empreendedorismo feminino são fundamentais para a construção de uma identidade positiva da comunidade além de diminuir os efeitos do racismo ambiental", afirma. Com a atividade oferecida pela TPM, o projeto mantém 95% de seus alunos inscritos até hoje. 

Atualmente, são atendidas cerca de 120 mulheres e 80 crianças e adolescentes na faixa entre 7 aos 17 anos e, majoritariamente, negros. Um trabalho que impacta, indiretamente, 250 famílias da localidade. Apesar de ser reconhecida internacionalmente, a região tem enfrentado desafios ambientais e sociais. Enquanto a praia é conhecida por suas belezas naturais e atividades de surfe, a comunidade local – em sua maioria, pescadores, jangadeiros, artesãos e comerciantes informais – sobrevivem da renda de suas funções e enfrentam a desigualdade socioambiental.  A especulação imobiliária e a expansão do turismo de forma insustentável têm impactado negativamente, levando à exclusão de políticas públicas e à falta de acesso a serviços básicos, como saneamento básico e educação de qualidade. 

Para entender a necessidade de cada família, são realizadas visitas em domicílio a fim de entender a rotina e necessidades de cada jovem, assim a ONG consegue auxiliar não apenas com as atividades realizadas na sede da TPM, como também apoiar aos tutores e no desenvolvimento escolar. As atividades propostas envolvem aulas de surfe, oficinas para confecção de pranchas, e a participação em campeonatos. Além disso, a ONG disponibiliza aulas de letramento racial, alfabetização, de espanhol, capoeira, maracatu, afoxé, arteterapia, teatro, dança  e sessões de cinema. 


CONSTRUINDO O FUTURO


"É um orgulho muito grande quando olhamos para trás e vemos o impacto da TPM na comunidade, são oito anos com muito aprendizado e também de amor pela transformação desses jovens. Manter uma ONG é um grande desafio, então o nosso objetivo é atrair mais voluntários e também possíveis marcas para se tornarem nossas parceiras", conta Nuala. Apesar do crescimento da ONG, a captação de recursos e voluntários é um dos desafios que organizações não governamentais mais enfrentam. 

Além de Nuala, a ONG conta também com Lígia Levy, educadora e mestra em geografia que atua na gestão do desenvolvimento dos projetos, e também de uma direção composta por Stella Francisca,  Alyne Nunes, Alexsandra Simoes e Micheline Araujo. Conta com o apoio de empresas parceiras, como Surf Guru, Pousada La Bella Luna, Setta Energia e Via Água, que garantem contribuições mensais para a manutenção do projeto, enquanto doações espontâneas ajudam a cobrir despesas mensais.

O crescimento de pessoas assistidas pela TPM ao longo dos 8 anos de existência ultrapassou a marca de 300 pessoas direta e indiretamente, e como próxima meta, Nuala pontua que a sede do projeto terá que expandir para receber ainda mais pessoas.

Com diversos objetivos de transformação social, hoje a maior parte das famílias atendidas pela TPM são de pessoas negras, em idade escolar e de baixa renda. Nuala, que já se viu na mesma posição dessas famílias, destaca a importância de oferecer um atendimento e incentivo para a comunidade como um todo. "Desde que decidi criar a ONG, me coloquei no lugar desses jovens para entender qual o tipo de acolhimento que eu gostaria de receber. É importante pensar no jovem, mas não é o suficiente se não tivermos um atendimento que inclua também a família deles", diz a ex-surfista. "Hoje em dia, com o acesso à internet e com as mudanças de costumes, é preciso combater não só a evasão escolar, no nosso caso o esporte é um dos nossos alidados, como também proporcionar o letramento racial para que essas crianças construam sua autoestima e enxerguem que a cor delas não as impede de chegarem a posições de liderança, além de trabalhar também a educação social para que elas entendam as questões como educação sexual, inclusão de gênero e outras diversidades que existem".


RELAÇÃO DAS ATIVIDADES

Alinhados com 14 dos 17 ODS da ONU, a Todas Para o Mar oferece mais de 10 atividades para a comunidade de Ipojuca. 

  • Aula de Espanhol - Segunda-feira
  • Inclua Capoeira - Terça-feira
  • Aulas de apoio escolar (Surfando no Conhecimento) - Quarta-feira
  • Afoxé - Quinta-feira
  • Maracatu - Sexta-feira
  • Dança e Teatro - Sábado
  • Inclua Surf - Sábado

Para as mulheres são oferecidos cursos profissionalizantes semanais como o Prospera Mulher (estética), de empreendedorismo através do artesanato, e também de capacitação produtiva para pescadoras. A ONG também promove encontros como o Todas Podem Menstruar!, que aborda a saúde da feminina  e dignidade menstrual.

 

Àqueles que quiserem se voluntariar ou oferecer algum suporte, é possível entrar em contato com a ONG através do email coletivo@todasparaomar.org.




CLIQUE E FALE COMIGO:


🇧🇷 SIGA O BLOGUEIRO OFICIAL DO BRASIL NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !



S O L I D A R I E D A D E
AJUDE A EQUIPE EM NOSSO TRABALHO SOCIAL,
FAÇA SEU PIX COM QR CODE E COLABORE COM QUALQUER VALOR:




VEJA TAMBÉM:

Rita Cadillac grava vídeo pornô com criador de conteúdo adulto Jefão

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

CELEBRIDADES: Ex-BBB Nizam publica novo ensaio nu

Ferragamo Hug Bag

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

INTERNET: Nizam publica foto totalmente nu e choca a web

MODA: Podyh AW24

ENTRETENIMENTO: Turnê do Natiruts muda para o Engenhão e ajuda vítimas do Rio Grande do Sul

Céu lança Novela

TECNOLOGIA: Conheça 4 mulheres que estão inovando e transformando o mercado nacional