Segunda edição do Salão Literário Infantojuvenil Brasil-Alemanha acontece em maio

Imagem
A i-Lit (Fórum Literário Internacional), em parceria com as editoras Ogro, Girabrasil, Razamba, Fafalag, Gratitude, o estúdio Illustralabor e o Clube do Livro Muenster, vai realizar o 2º Salão Literário Infantojuvenil Brasil-Alemanha, nos dias 4 e 5 de maio de 2024, em Offenbach am Main, na Alemanha.   Para isso acontecer, o evento está recebendo apoio institucional do Consulado-Geral do Brasil em Frankfurt, da Prefeitura de Offenbach, da Der Paritätische (organização não governamental alemã que atua na área social), do Instituto Guimarães Rosa e do Instituto F.I.Z. e.V.   Este segundo Salão proporcionará atividades interativas gratuitas para jovens leitores alemães e para a comunidade brasileira local, e também irá reforçar a riqueza e a diversidade na literatura, atraindo participantes de diversas nacionalidades.   Para Andréia Oliveira Amthor, agente literária e fundadora da i-Lit, o retorno do Salão Literário demonstra que o evento foi bem recebido pelas autoridades

Ao CNN Entrevistas, Simone Tebet, fala sobre misoginia no poder

 

Para ministra,'Banco Central demorou a começar a baixar taxa de juros'; edição vai ao ar neste fim de semana

 

A ministra Simone Tebet fala a Gustavo Uribe e Daniel Rittner em Brasília. Crédito: Divulgação CNN

 


Ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB-MS) é a convidada desta semana do CNN Entrevistas. Na conversa com os jornalistas Daniel Rittner e Gustavo Uribe, gravada nos estúdios da CNN em Brasília, ela contesta o piso de 9% para a taxa da Selic. Tebet fala ainda sobre a misoginia no poder e a queda de popularidade do governo Lula.

 

O "CNN Entrevistas" será exibido neste sábado (30/03), às 18h30, em todas as plataformas da CNN Brasil.

Embora seja favorável à autonomia do Banco Central, a ministra avalia que o BC "demorou a começar a baixar a taxa de juros", observando que o patamar de 9% não se justifica. "[Esse] Só pode ser o piso se nós, a partir do segundo semestre, começarmos a dar outros sinais que não os sinais que estamos dando. Porque o Banco Central não está analisando os preços dos alimentos apenas. O BC está de olho na política fiscal do governo", diz. E a premissa do governo para controlar a dívida pública do país diante do PIB, continua, é "não gastar mais do que se tem".
 

"Se a taxa de juros continua caindo lentamente, eu continuo tendo uma taxa de juros real mais alta do mundo", argumenta.
 

A ministra não se esquivou de comentar sobre o cenário machista que domina o ambiente do poder, lembrando do chamado "fogo amigo" destacado recentemente por Nísia Trindade, titular da pasta de Saúde no Governo Lula. E salientou: "Já sofri muita violência política". "Não duvido que haja misoginia."

 

Sobre a queda na popularidade de Lula, acredita que o problema está em comunicar melhor ao público o que tem sido feito. "Não estamos sabendo nos comunicar". Mas pondera que, a respeito da polarização entre Lula e Bolsonaro, isso já esteja "começando a cansar o país".

Tebet se disse novamente contra a reeleição. "Um dos grandes cânceres e males é não só a reeleição, é como um mandato de quatro anos é um mandato curto. Então, você ganha o primeiro ano, no segundo ano você trabalha, o terceiro ano você está pensando na eleição. O Brasil não vai para frente dessa forma."

 

Se Jair Bolsonaro não tivesse chance de ser candidato à reeleição, exemplifica, "nós não teríamos todo esse processo, nós teríamos uma eleição totalmente diferente, talvez até sem uma tentativa de golpe", avalia. E completa: "Um mandato de cinco anos, sem reeleição, está de bom tamanho".

 

Quando questionada sobre a possibilidade de se candidatar à presidência da República em 2026, a ministra desconversa: "Estou cumprindo a minha missão".

 

E ao responder sobre a interferência do governo na indicação para empresas como Petrobras, Eletrobras e Vale, Tebet defende que Lula possa ter os "amigos do seu lado". "Se o presidente aponta um determinado caminho e há uma reação da classe política, o pensamento político dele precisa ser respeitado", diz.

 

"A partir do momento que o presidente vê na figura de [Guido] Mantega um parceiro, colocar ao seu lado é um direito do presidente. Uma vez vendo que o estatuto da estatal não permite, [ele] parou de insistir. Isso é política. Não vejo problema. Isso é a capacidade de o presidente ver os amigos ao seu lado."

 

SERVIÇO

CNN Entrevistas

Sábado, 30 de março, às 18h30, na CNN Brasil

 

 

SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !





VEJA TAMBÉM:

Rita Cadillac grava vídeo pornô com criador de conteúdo adulto Jefão

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

Multishow e Globoplay transmitem "SOWETO - 30 Anos Ao vivo" nesta sexta (19)

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

BBB: Análise das três últimas edições aponta diferenças no comportamento do público nas redes sociais

Ana Clara invade casa do Big Brother Brasil 24 após grande final no Multishow

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

Vitrine de Inovações: Agrishow 2024 reunirá mais de 800 marcas expositoras nacionais e internacionais durante os cinco dias de evento

Novo Nordisk é a única farmacêutica presente no Web Summit 2024