Pretah leva samba, MPB e sons regionais ao Palco Sesc

Imagem
Foto: Divulgação  Quarta-feira 17/04, é dia de Palco Sesc e quem se apresenta desta vez é a cantora  Pretah . A ação é parceria do  Sesc Cultura , integrante do Sistema Comércio e  Shopping Campo Grande  . A apresentação começa às 18h30, na praça de alimentação, aberta ao público. Pretah apresenta um repertório repleto de músicas brasileiras, como samba, incluindo também canções de compositores regionais. Serviço – Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417. Acompanhe as ações do Sesc Cultura @sescculturams e Facebook/sescculturams e no aplicativo "Encontre no Sesc". CLIQUE E FALE COMIGO: @OBLOGUEIROOFICIAL SIGA NAS REDES SOCIAIS: INSTAGRAM:   www.instagram.com/oblogueirooficial PINTEREST:   www.br.pinterest.com/oblogueirooficial TIKTOK:  www.tiktok.com/@oblogueirooficial FACEBOOK:  www.facebook.com/siteoblogueiro THREADS:   www.threads.net/@oblogueirooficial TWITTER:   www.twitter.com/siteoblogueiro CLIQUE  AQUI   E INSC

Biodegradável mesmo? Saiba o que torna um plástico não convencional sustentável de fato

 

Head of Science da Bioelements explica qual o diferencial e destaca a importância da pesquisa e da ciência no desenvolvimento de novos materiais



Pesquisa divulgada em 2023 pela Credit Suisse indica que 80 milhões de toneladas por ano é a quantidade de resíduos plásticos que não têm destino adequado. O número é um alerta que faz crescer a preocupação de empresas de diversos ramos e consumidores com os impactos que o uso do plástico convencional já causam ao meio ambiente e o que fazer para substituí-lo com a mesma eficiência, mas sem gerar ainda mais consequências negativas ao planeta.


Uma das opções em ascensão em vários setores da indústria, varejo e no agronegócio, é o uso do plástico biodegradável, que pode ter a produção triplicada até 2027 e chegar a 6,3 milhões de toneladas, segundo a organização European Bioplastics. Mas ainda há muita desinformação sobre o que torna o material ambientalmente sustentável. Ybellise Azocar, Head of Science da Bioelements – referência em soluções inovadoras e sustentáveis para o mercado de embalagens –, explica que para ser considerado biodegradável, o plástico precisa alimentar os micro-organismos no processo de biodegradação.


"Esse é o principal critério. Na Bioelements, por exemplo, oferecemos formulações de plástico não convencional, um bioplástico, bio-based, não tóxico, que se biodegrada em diversas condições ambientais e ecossistemas, da compostagem até os biomas marinhos, sem causar danos aos organismos vivos", explica.
 

No mercado existem ainda os plásticos oxibiodegradáveis, outro tipo de plástico não convencional, mas que não pode ser chamado de biodegradável. "Eles apenas se transformam mais rápido em pedaços minúsculos que 'desaparecem' da nossa visão. Esses resíduos, chamados de microplásticos, continuam causando danos, afetam os seres vivos, são tóxicos e se acumulam nos organismos", conta a especialista.


Outro fator que deve ser observado pelos investidores e consumidores, segundo Ybellise, é que para ser considerado biodegradável, um produto precisa de certificações. "No Brasil, a Bioelements tem parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que desenvolve novas pesquisas e também testa os produtos que são comercializados no país. Também é certificada por instituições em todos os países que atua, no Chile, México, Peru; além da certificação da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, que garante a segurança dos produtos para contato com alimentos", ressalta.
 

Credibilidade e ampliação

De acordo com Adriana Giacomin, Country Manager da Bioelements no Brasil, para atender às novas exigências do mercado, o caminho é investir em tecnologia, ciência, inovação e informação.

"Por isso queremos liderar esse mercado. São sete anos de pesquisa sobre as formulações BioE, base de todos os produtos da companhia, que não só oferece uma alternativa sustentável ao plástico convencional, mas também contribui ativamente para a redução da pegada de carbono. De acordo com nossos cientistas, durante sua produção, são geradas significativamente menos emissões de CO2 em comparação com o plástico convencional que ainda é amplamente utilizado, e na fase de biodegradação, a quantidade de carbono presente nos produtos da Bioelements resulta em emissões reduzidas de CO2", destaca.


No dia 21 de março, a Bioelements inaugurou um novo laboratório, no Chile, onde fica a sede da empresa. Com uma área de 180m², uma equipe composta por mais de dez cientistas, entre doutorandos e pós-doutorandos, equipamentos de última geração e tecnologia de ponta, o laboratório será o epicentro das pesquisas sobre biodegradabilidade de materiais renováveis e análises detalhadas dos bioprodutos da companhia.
 

Divulgação | Bioelements

 

SIGA NAS REDES SOCIAIS:



CLIQUE AQUI E INSCREVA-SE NO CANAL "O BLOGUEIRO OFICIAL" DO YOUTUBE !



VEJA TAMBÉM:

CURIOSIDADES: Viralizou! Conheça Rayssa Buq, fenômeno das redes sociais

"Acampamento de Magia para Jovens Bruxos" estreia no Gloob na próxima sexta-feira, dia 12

MODA: Podyh AW24

Indústria brasileira desacelera diversificação do portfólio no primeiro trimestre

ESPORTES: YoPRO anuncia sua primeira corrida em parceria com Norte Marketing

Atlantica Hospitality International lança empreendimento na região da Avenida Paulista em São Paulo

Tarkett cria piso vinílico que facilita paginações criativas

#RespeitaMeuCapelo: chapéu de formatura é recriado para atender cabelos de pessoas negras

Com marcas como TIM, PRIO, Hashdex e Invest.Rio e nomes de peso no conselho, Instituto 12 nasce no coração do Leblon para fomentar a inovação no Rio

Empreendedorismo Familiar e superação: Do garoto vendedor de cocada na Zona Leste à CEO de 3 empresas, e sócio do Káka Diniz e João Kepler